Atacado

Com mais foco, a crise passou longe da Sertrading

Com a ampliação dos serviços de assessoria técnica aos clientes, a empresa de comércio exterior SERTRADING expande os negócios e mira crescer 25% neste ano

Postado dia 18/11/2020 por DEBORAH OLIVEIRA
Com mais foco, a crise passou longe da Sertrading

Alfredo de Goeye, presidente da Sertrading: lucro 600% maior / Foto: Germano Lüders

Uma das maiores empresas de comércio exterior do Brasil, a Sertrading vive um período de acelerada expansão. Em 2019, faturou quase 612 milhões de dólares, um robusto crescimento de 53,5% em relação ao ano anterior. A última linha do balanço fez ainda mais bonito – o lucro líquido cresceu mais de 600%. Os ganhos são frutos da lição de casa feita nos últimos anos. Em 2018, a empresa decidiu centrar os esforços em clientes que importam grandes volumes e oferecer-lhes uma solução mais completa na gestão dos processos de importação e exportação. “Passamos a oferecer serviços como assessoria em tecnologia, para permitir ao cliente ter acesso rápido a todos os processos de importação”, diz Alfredo de Goeye, fundador e presidente da Sertrading. “Com o reforço nas áreas financeira, tributária e tecnológica, as operações ficaram mais arrojadas. Deu certo, e a estratégia ampliou nosso portfólio de clientes.”

Prestes a completar 20 anos, a Sertrading está entre as 20 maiores importadoras do país e realiza em média de 17.000 embarques por ano, movimentando 6,3 bilhões de reais em 2019. Seus clientes estão espalhados por 12 setores, de alimentos e bebidas até máquinas e equipamentos. Nos últimos dois anos, aumentou sua atuação no setor de óleo gás – os combustíveis representaram mais de 50% do valor das mercadorias embarcadas em 2017 e 2018. Cresceu também no segmento médico-hospitalar e em aviação executiva, na qual é uma das principais tradings do país.

Neste ano, mesmo com a pandemia do coronavírus, a meta da companhia é atingir vendas de 764 milhões de dólares, um crescimento de 25% em relação ao ano passado. A rápida recuperação dos mercados asiáticos, após o início da crise da covid-19, foi fundamental para a manutenção dos negócios no Brasil, já que 30% das operações da Sertrading têm origem na Ásia, em especial na China. O restante dos negócios está dividido entre os países do Cone Sul (25%), Estados Unidos (25%) e outros mercados (20%).

Com escritórios em 13 estados, a Sertrading concentra grande parte do volume de importação nos portos de Vitória, no Espírito Santo, e Itajaí, em Santa Catarina, que oferecem incentivos fiscais e tributários atraentes. Bruno Porto,sócio e líder de mercados internacionais da PwC Brasil, empresa de auditoria e consultoria, observa que a importação brasileira sofreu uma queda de 2,1% em 2019 na comparação com o anterior, fechando em 177 bilhões de dólares. As importações realizadas nesse período por Espírito Santo, porém, cresceram 25%, enquanto as que entraram por Santa Catarina tiveram alta de 9,4%. Já as importações feitas por São Paulo e Rio de Janeiros diminuíram. “É uma indicação de mudança na importação brasileira e que tem a ver com o novo modelo de negócios, mais operacional, que algumas empresas estão adotando com seus clientes”, diz Bruno Porto, sócio e líder de mercados internacionais da consultoria PwC. “As empresas estão redesenhando sua cadeia de valor, principalmente após a pandemia. E, sempre que há mudanças, há oportunidades.”

Mudança é uma palavra que está presente na trajetória da Sertading. Goeye cita a criação da startup Kestraa, uma plataforma especializada em planejamento e controle do fluxo de informações em toda a cadeia de importação. A startup nasceu dentro da Sertrading, em 2017, com a meta de integrar na área de tecnologia todas as etapas de comércio exterior, desde o planejamento financeiro e tributário até o desembaraço aduaneiro. O negócio deu tão certo que a Kestraa ganhou vida própria – no início do ano, recebeu um aporte de capital de 15 milhões de reais de investidores, nacionais e estrangeiros, e hoje atende outras empresas que buscam simplificar os processos de importação – entre os clientes está a fabricante de bebidas Ambev. “Inovação e empreendedorismo fazem parte da nossa história”, afirma Goeye. Seu plano é continuar investindo em tecnologia e digitalizar todas as operações da Sertrading. “Isso vai resultar em uma conquista ainda maior de clientes no futuro.”